O tumulto aconteceu por volta das 10h desta quinta-feira (14) – foto: Amigos de Tapauá/Facebook
Cerca de 80 manifestantes, entre os quais 30 estudantes, revoltados com a falta de pagamento desde o último mês de junho dos benefícios do Programa Universidade para Todos (ProUni), invadiram e depredaram a sede da Câmara Municipal e o prédio da prefeitura de Tapauá, a 448 quilômetros de Manaus, além de atear fogo na casa do prefeito Almino Gonçalves de Albuquerque.

O atraso no pagamento já perfaz cerca de R$ 1,2 milhão em dívida aos cofres municipais. O tumulto aconteceu por volta das 10h desta quinta-feira (14), após o grupo se reunir na praça da cidade, localizada na avenida Presidente Castelo Branco, Centro, em frente à prefeitura e definir as ações de vandalismo.

Segundo o próprio prefeito, que não soube precisar o total de prejuízos, o policiamento reduzido do município, onde apenas cinco agentes atuam na segurança pública, foi insuficiente para conter a fúria dos manifestantes. “Trata-se claramente de uma questão política. Sei muito bem que houve até membros da minha base aliada que se aliaram em apoio aos vândalos. Acontece que a prefeitura não tem como pagar a dívida, mas vamos tentar a readequação do saldo devedor”, disse por telefone à reportagem.
Foto: Amigos de Tapauá - Facebook

Colaboraram Raphael Lobato e Emanuela Lago