Um gato de 4 anos foi cadastrado no programa Bolsa-Família e recebeu o benefício durante sete meses. Billy da Silva Rosa como foi identificado no cadastro, recebeu do governo federal R$ 20,00 por mês.O caso foi descoberto por um agente de saúde Almiro dos Reis Pereira, que foi a casa do gato convida-lo para pesagem no posto de saúde, cumprindo a exigência do programa para o atendimento a crianças. E ao perguntar pela suposta criança beneficiada, a dona da casa disse que Billy é o gato, que se tratava do animal de estimação dela.
A mulher não sabia que o marido, Eurico Siqueira da Rosa, coordenador do programa no município de Antônio João (MS), recebia o benefício do gato e de mais dois filhos que o casal não tem. Os filhos fantasmas faziam jus a R$ 62 cada, desde o início de 2008, quando Eurico assumiu o cargo.
O golpe foi identificado em setembro e o benefício foi suspenso. Eurico ainda tentou retirar Billy do cadastro e pôr o sobrinho Brendo Flores da Silva no lugar. Mas já era tarde. No início desta semana o “pai” do gato Billy acabou exonerado a bem do serviço público e está sendo denunciado à Justiça. O promotor Douglas Oldegardo Cavalheiro disse que o servidor terá de devolver o que recebeu ilegalmente. 
Fonte: Agência Estado