Cleide Lopes da Silva, 36 anos, morreu na madrugada desta sexta-feira (3), no Hospital Eurico Dutra, em Barreiras, a 830 km de Salvador, após usar um relaxante no cabelo. Segundo o jornal A Tarde, Cleide estava internada desde quinta-feira (2). 
 
 De acordo com o marido da vítima, o cabeleireiro Matire Lima de Oliveira, 46 anos, há alguns anos ela fazia uso do produto, no entanto, desde a última aplicação, dia 25 de dezembro, e de uma escova no dia 28, ela começou a passar mal. "Eu sempre disse a ela que não fizesse uso desse produto, mas ela gostava do efeito e continuou a usá-lo", disse inconformado o companheiro ao A Tarde, destacando que ela própria fazia a aplicação em casa.
 
Antes de ser internada no Hospital Eurico Dutra, Cleide passou por outras unidades de saúde, como o Hospital do Oeste, onde ficou em observação por algumas horas no dia 31 de dezembro. 
 
O delegado Francisco Carlos de Sá, que preside o inquérito policial, disse que solicitou exames detalhados da pericia técnica "para confrontar se o produto apresentado pela família foi a causa real da morte". Ele também vai ouvir os representantes da indústria que fabrica o produto, para apontar as responsabilidades sobre a morte de Maria Cleide. "Em tese, o produto foi o causador desse óbito", disse o delegado.
 
No atestado de óbito, assinado pelo médico Carlos José de Souza, foi relatado que a causa da morte foi intoxicação seguida de choque anafilático. O produto usado por Cleide foi da marca Salon Line.
Fonte: Bocão News