Hélcio-tucano (1)
O presidente da Câmara de Vereadores de Tucano, Hélcio Reis de Santana, disse nesta quinta-feira (03/09) que é contra a mudança de dia da feira livre do município do sábado para a sexta-feira. 

Segundo o vereador, umas das principais razões pelo seu posicionamento é o fato de que a mudança prejudicaria a rotina dos trabalhadores e moradores da zona rural, que utilizam e precisam dos dias úteis para atividades no campo e reservam o sábado para compras e resolução de outras tarefas.

Conforme já havia se posicionado durante evento promovido pela CDL no dia 25 de agosto, quando defendeu que era necessário ouvir o que pensava a maior parte da população, Hélcio disse esta semana que não há dúvidas de que há mais pessoas contra do que favoráveis à mudança. “É claro que precisaremos criar e estimular todos os mecanismos para ouvirmos o povo tucanense, mas é fato que, principalmente os moradores da zona rural, não querem a mudança”, adianta o vereador.

Ainda segundo o presidente, caso a feira fosse realizada às sextas-feiras, uma parte do turismo seria afetada, porque alguns turistas vindos de outras cidades nos finais de semana têm o costume de visitar a feira livre do município. “A maior parte do comércio tem condições de fechar o seu estabelecimento ao meio dia porque a feira não dura mais até seis, sete horas da noite como era antigamente. Eu como comerciante procuro fechar entre meio dia e no máximo 14h e isso não vai enriquecer nem empobrecer ninguém”, defende o vereador.

Hélcio informou que a Câmara de Vereadores será parceira no cumprimento de todas as etapas previstas no decreto publicado pelo prefeito, mas que, pessoalmente, será contra a mudança. “Eu respeito a posição de qualquer colega comerciante que é favorável à mudança, respeito a tentativa de diálogo da CDL, mas como cidadão e como representante do povo eu defendo a manutenção da feira aos sábados”, explicou.

Segundo Hélcio, a maioria dos pequenos comerciantes também é a favor que a feira permaneça aos sábados, e com mudança de dia funcionários públicos que trabalham às sextas-feiras ficariam impedidos de frequentarem a feira.

Assessoria