Presidente interino da Câmara anula processo de impeachment de Dilma Rousseff
O presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), anulou o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Ele considerou nula a sessão da Câmara que votou o afastamento e determinou que uma nova votação deve ser realizada na Casa. Maranhão acatou parcialmente um pedido da Advocacia-Geral da União (AGU). 

O processo seria votado no plenário do Senado nesta semana. A decisão anulou a sessão da Câmara dos dias 15, 16 e 17 de abril, quando a Casa votou a admissibilidade do processo de afastamento e determinou que uma nova sessão seja realizada "no prazo de 5 sessões contados da data em que o processo for devolvido pelo Senado à Câmara dos Deputados". Maranhão argumenta que os partidos políticos não poderiam ter fechado questão sobre o voto dos parlamentares, pois eles "deveriam votar de acordo com as suas convicções pessoais e livremente". 

Além disso, os deputados não poderiam anunciar publicamente os seus votos antes da votação e a defesa de Dilma deveria ter falado por último no momento da votação.